Palawan, a viagem que mudou a minha vida, take 1

 Em PT, viagens

O Nepal foi a viagem mais marcante da minha vida, já falei sobre ela aqui, mas Palawan foi a viagem que mudou a minha vida. Deixem-me contextualizar-vos.

Em Setembro de 2014, eu e o David estávamos prontos para realizar um dos meus grandes sonhos: passar 20 dias a caminhar pelos Himalaias. Comprámos todo o equipamento que precisávamos para a viagem, treinei para estar na minha melhor forma, estávamos prontos. Umas semanas antes do grande dia, a empresa do David pediu-lhe o passaporte para emitir o seu visto de trabalho, um procedimento normal por aqui, e que pode demorar uma semana ou até um mês. Tivemos azar, no caso do David demorou um mês.

A uns dias da partida, não fazíamos ideia se o passaporte dele ia chegar a tempo, e eu estava completamente desolada, não sabia o que fazer. Tinha 20 dias de férias, tinha ido Portugal nesse verão, e não me sentia preparada para enfrentar os Himalaias sozinha.

Na véspera do inicio das minhas férias, decidi que não queria ficar em Abu Dhabi à espera do passaporte. Estava triste, stressada, e achei que um detox era a solução (mesmo sem saber o que raio significava esta palavra). Por esta altura já tinha mudado muita coisa na minha alimentação, e já estava mais atenta aos sinais do meu corpo. Procurei retiros de yoga por toda a Ásia e nem queria acreditar na exorbitância que cobravam, queria um retiro simples, onde eu pudesse desligar de tudo.

Encontrei Palawan

Não demorei muito até encontrar o Bahay Kalipay. Senti que era perfeito, sobretudo depois de googlar Palawan, e ver toda aquela beleza. Um local simples, com um preço acessível, onde eu podia desintoxicar o meu corpo e mente.

Sem hesitar, marquei o bilhete, e nessa madrugada já estava a caminho das Filipinas. No meu voo até a Manila, ao meu lado estava uma colega da Etihad (na altura eu ainda era aeromoça), e que me disse como eu era sortuda por fazer esta viagem a Palawan. Sinceramente não me sentia assim. Palawan era efetivamente a minha segunda opção, e eu estava triste por ter de ir para lá (#firstworldproblems eu sei).

Chegada

De Manila voei até Puerto Princesa, a cidade pricipal da ilha de Palawan. Aterrei à noite, cheia de fome. No aeroporto tinha o motorista do retiro à minha espera. Não tardou muito até estar na confusão da condução da Ásia, por estradas sem iluminação, de terra batida, e com 700 euros no bolso.

Foi um daqueles momentos em que tive de confiar, e acreditar que não me ia acontecer nada, estava sozinha, sem fazer a mínima ideia em que parte do mundo estava, e onde muita coisa podia dar para o torto.

Cheguei ao Bahay, e na escuridão veio um monge budista abrir-me a porta. O espaço estava vazio, ele mostrou-me o meu quarto, o frigorifico e foi dormir. Não vi mais ninguém nessa noite, e tive muita vontade de fugir dali, só não o fiz porque não sabia como…

Deitei-me cheia de fome, não queria ir comer sozinha, o espaço parecia-me enorme e escuro. Acordei na manhã seguinte para a aula de ioga, com a certeza de que se não gostasse daquele sitio ao final do dia ia embora. Cheguei à aula, e era a única aluna, e mais uma vez, tive vontade de fugir. Fiz a aula, adorei a professora, tomei o pequeno-almoço com ela, e durante a manhã estive sozinha.

Não foi nada daquilo que imaginei, e sentia-me completamente perdida. Acho que foi das poucas vezes em que pensei que ser aventureira afinal não é assim tão bom, estava mesmo desiludida. Ao almoço começaram a chegar pessoas, nomeadamente o “gestor” do retiro, que nos explicou o que ia acontecer nos próximos dias. Finalmente alguém naquele espaço, que não eu e o monge.

Abracei a Experiência

E foi a partir daqui que a minha postura foi mudando, e que eu comecei a abraçar aquela experiência.
Foram 10 dias muito intensos, e de muitas aprendizagens. As refeições foram todas cruas e veganas. Foi a primeira vez que estive num ambiente tão disciplinado e saudável. Fiz muito ioga, apaixonei-me pela professora, e tomei decisões que mudaram a minha vida para sempre.

espaço de refeições

bahay kalipayzona de lavagem de loiça

bahay kalipay

espaço de aulas de ioga e sessões em grupo

bahay kalipay

quartos de banho e chuveiros

bahay kalipay

o programa da minha semana, sendo que eu ainda fiquei mais 3 dias:

bahay kalipay

zona de rotina matinalbahay kalipay

balay kalipay o meu quarto, um foto muito manhosa tirada com o telemóvelTenho pena de não ter mais fotos, mas na altura ainda não tinha esta paixão pela fotografia que tenho hoje, mas como podem ver, o espaço é mesmo muito modesto. Os banhos eram ao estilo “ice bucket“. Não sei se hoje ainda é assim.  Foi no retiro em Palawan que ganhei o hábito de ter uma rotina matinal. Enquanto voei foi difícil manter, mas agora é um hábito sólido.

A vida depois do detox

O mais difícil de tudo foi voltar à minha vida sem entrar em paranóia. Enquanto estive no Bahay vivi numa bolha. O meu corpo ficou completamente desintoxicado, nunca me senti tão leve e saudável. Portanto a adaptação em viagem não foi fácil. Comecei por comer só fruta e salada porque queria manter a componente crua, e depois nos passeios de barco fui comendo arroz também, a acompanhar com fruta.

Quando regressei a Abu Dhabi tive uma festa entre amigos, bebi álcool, comi açúcar, vomitei, e percebi que a carga era muita para o meu corpo, e que não queria mesmo voltar a descuidar-me daquela forma. Não foi fácil a transição, e aceitar que o meu corpo não vai estar sempre num ambiente controlado, mas faz parte da vida.

Fora do retiro 

Em Puerto Princesa, esta é a zona envolvente do retiro, tem praia mas não é aquele azul-paraíso dos postais. A qualquer momento podemos sair do espaço do retiro para ir passear em Palawan, eu raramente o fiz, queria absorver aquilo tudo. A cidade oferece todo o tipo de produtos e serviços, por isso se precisarem de alguma coisa durante este tempo, certamente não vai ser difícil encontrar.

bahay kalipay

bahay kalipay

bahay kalipay

Nutrição Holística

Foi no retiro de Palawan que eu tomei a decisão de estudar nutrição holística, andava num empasse com várias coisas da minha vida, sentia-me perdida porque sabia que não queria voar para sempre, nem trabalhar na minha área de licenciatura. Durante o retiro foram aparecendo todas as respostas. Foi a primeira vez que viajei tanto tempo sozinha, e que me pude focar só em mim. Foram 10 dias completamente dedicados ao meu corpo, e que mudaram a minha vida para sempre.

Experiência Final

Esta é uma daquelas experiências que recomendo a toda a gente, e é para irem sozinhos! Não me lembro ao certo de quanto paguei mas na altura, foi entre 500 e  600 euros, que cobriram 10 dias de alimentação crua e vegan, 3 massagens de corpo inteiro, limpeza ao colon numa clínica, aulas de ioga, duas aulas de cozinha crudívera, e todas as sessões de trabalho. No fundo tudo o que está no programa.

No final do retiro, gravei um vídeo para mostrar a mim mesma como não queria voltar ao que era antes, e como era muito mais feliz nesta minha nova forma de pensar, e de me alimentar. Voltei a ver o vídeo a semana passada com a minha irmã e rimo-nos muito, ao mesmo tempo que nos emocionámos com todas as descobertas que eu tinha feito.

A maior parte do que disse naquele vídeo não tem nada a ver com a pessoa que sou hoje, e mostrou-me que continuo a crescer e a mudar. O que estava a tentar implementar há uns anos é agora a minha forma de estar na vida.

A mensagem que quero passar é acima de tudo esta:

  1. nem sempre conseguimos controlar tudo, e quando nos deixamos levar, e aceitamos isso, coisas mágicas acontecem.
  2. mudar de hábitos, especialmente os maus, é todo um processo que demora o seu tempo. Não se comparem, sigam o vosso instinto, e oiçam sempre o vosso corpo.

Hoje sei que esta viagem a Palawan apareceu na minha vida da pior forma, mas no momento certo. Não trocava esta experiência por nada, e estou muito grata por tê-la feito. No próximo post vou partilhar a segunda parte da viagem nesta ilha linda do nosso coração.

Posts Recentes
Mostrar 14 comentários
  • Lúcia
    Responder

    É incrível como nos descobrimos quando removemos coisas do nosso dia a dia!
    Passamos a vida a achar que com aquela ou outra coisa, é que iríamos fazer o que passamos a vida a adiar.
    Obrigada pela partilha, ansiosamente à espera do take 2 para saber a que sítios bonitos te levou esta viagem: interior e exteriormente.
    Um grande beijinho*Lu

    • Cláudia
      Responder

      Completamente Lúcia, o take 2 vou publicar em breve. Obrigada pela tua visita. Um beijinho

  • Filipa
    Responder

    Obrigada pela tua partilha! Também gostava de entrar numa aventura tão produtiva assim! Beijinho

    • Cláudia
      Responder

      É uma experiência mesmo inesquecível, mas felizmente em Portugal já se faz muita coisa com qualidade, vais adorar! Grande beijinho

  • Sara
    Responder

    Adorei ha anos que quero fazer algo igual mas o dinheiro não estica encontrei alguns em Portugal muito bons também será essa a hipotese.Bjinhos obrigada.

    • Cláudia
      Responder

      Sim, é mesmo isso, em Portugal já se faz muita coisa boa, enquanto não dás um voo mais alto, aproveita o nosso país lindo <3

  • Ana Go Slowly
    Responder

    Fantástica experiência ???? Muito obrigada pela partilha! Adoro retiros precisamente por essa parte em que nos conhecemos melhor e exploramos hipóteses que antes numa teríamos pensado ????

    • Cláudia
      Responder

      Sim, estou ansiosa para repetir a experiência, mas o próximo quero fazer em Portugal <3

  • Catarina
    Responder

    Wow que aventura deliciosa Cláudia.
    Acredito no tanto que ela te trouxe. Nada acontece ao acaso!
    Muito obrigada por partilhares a tua experiência.
    Beijinho e boa semana.

    • Cláudia
      Responder

      Obrigada Catarina, trouxe mesmo. Obrigada eu por estares por aqui. Grande beijinho

  • maria
    Responder

    Adorei tb e ja andei a pesquisar! Tens alguma dica para Portugal? Beijinhos

    • Cláudia
      Responder

      Olá Maria, em Portugal ao mesmo género não conheço assim nada, mas se entretanto descobrir aviso-te. Um beijinho

  • Raquel
    Responder

    Olá claudia , só agora li este artigo e graças ao vídeo que filmaste com a Joana! Fiquei curiosa e agora além de curiosa , com vontade de me aventurar em algo deste género! Só tenho 18 anos e provavelmente demasiado inexperiente em todos os campos da vida mas sinto que começarmos a descobrir todo este “estilo de Vida” desde cedo irá ser muito bom para mim no futuro ! Obrigada pelas partilhas e continua ???? Ganhaste uma “fã”! Beijinhos com muito amor

    • Cláudia
      Responder

      Raquel, bem-vinda ao Officinalis, espero ver-te por aqui. Um grande beijnho

0